Histórias da Unisc

       

 

EDITH

Rosa Glesse

Edith! Edith! Quem és ? Volto aos anos setenta e meu coração se enche de boas recordações dos colegas de trabalho, dos leves gemidos das tuas teclas, provocadas inicialmente pelas mãos habilidosas do saudoso Luiz Düren, responsável pela confecção de originais para a Gráfica - que não se cansava de elogiar teus feitos.

Eras uma máquina de escrever...  Mas não uma máquina qualquer! Pelo contrário, eras muito especial e muito querida: eras das primeiras máquinas elétricas, possuías teclas ágeis e leves como uma pluma – comparadas com as das máquinas comuns -  e tinhas memória, coisa inédita na época. Guardavas em torno de ................. páginas de um livro, permitindo correções após a revisão dos textos por seus autores. Servias não raramente como o assunto do dia em Departamentos/Setores das então Faculdades  de Filosofia, Ciências e Letras, Ciências Contábeis e Administrativas, Direito e Educação Física onde elogiavam a tua capacidade e a qualidade da tua impressão.

Lembro que tua operação exigia alguns conhecimentos que classifico como de pré-informática e que recebias cuidados muito especiais por parte dos teus operadores, sendo “a menina dos olhos” de Luiz Düren e de Leonardo Quadtke, - quem não lembra a dedicação e a disponibilidade do Seu Léo,  responsável pela Gráfica na época?

Posteriormente foste a fiel companheira e muito querida ainda de Clarice Agnes, Noemia Theisen, Elaine Hermes e Rosvita Weigel que manusearam tuas teclas com muita habilidade e cuidados.

Nos anos oitenta, especialmente mais para o final da década, recebeste como companheiras as famosas máquinas elétricas IBM, também ágeis e leves e de muito fácil manuseio, mas sem capacidade de armazenagem dos conteúdos digitados.

Edith! Teu desempenho meritório e sem descanso no projeto da Universidade não podem ser esquecidos. Foste responsável pela impressão dos textos da carta-consulta e de parte dos relatórios na fase de acompanhamento, quando recebeste o auxílio dos primeiros computadores, que aos poucos foram substituindo a tua atuação.

Hoje, embora não estejas totalmente desativada, - segundo informações recebidas ainda serves aos pesquisadores no CEPA -,  fazes parte da história da Universidade.

 

Associação Pró-Ensino em Santa Cruz do Sul - APESC